Recipac
Associação Nacional de Recuperação e Reciclagem de Papel e Cartão

A reciclagem de papéis velhos visa o aproveitamento de fibras celulósicas dos papéis e cartões usados para a produção de papéis novos. É um importante factor de ordem económica e social, pela sua contribuição para a conservação de recursos naturais e energéticos e para a protecção do ambiente, sendo a forma mais adequada da redução de deposição dos Resíduos em Aterro.

Pode ainda surgir como uma solução para o aumento de produção de uma fábrica integrada cuja capacidade de produção de papel supera a de produção de pasta.

Ao contrário do que muitos pensam, o papel/cartão reciclado é já uma realidade na vida de todos nós. São muitos os produtos que diariamente se consumem onde as fibras de papel/cartão recuperadas e recicladas estão presentes.

recipac_promo.jpg

Depois de devidamente separado e colocado nos devidos contentores, o papel usado inicia uma nova fase da sua vida que culminará numa nova utilização. As fibras originadas pela recuperação dos papéis velhos são usadas no fabrico de papel novo, em conjunto com fibras virgens (provenientes da pasta de papel). Este papel é, necessariamente, diferente do papel constituído apenas de fibras virgens, mas nem por isso deixa de ser abundantemente utilizado. Na realidade, e com excepção do papel utilizado por algumas indústrias com níveis de exigência de qualidade especiais (como a indústria fotográfica), a esmagadora maioria do papel que usamos quotidianamente tem na sua constituição grande percentagem de fibras recuperadas (o papel de jornal, por exemplo, tem cerca de 80% de fibras recuperadas). 

Das embalagens de detergente às caixas de sapatos, passando pelo papel de embrulho e pelas caixas de comida, são vários os produtos que consumimos que são feitos a partir de papéis usados. 


A reciclagem começa pela separação doméstica das embalagens usadas. O seu gesto conta! Recicle!

As fibras de papel/cartão podem ser recicladas, em média, até cinco vezes. Com base na quantidade de fibra virgem utilizada e na qualidade final do produto, o papel recolhido para reciclagem é classificado em 57 categorias diferentes, agrupadas em cinco grupos de acordo com a Norma EN 643:

  • Grupo 1: Qualidades Corrente (engloba 11 categorias);
  • Grupo 2: Qualidades Médias (engloba 12 categorias);
  • Grupo 3: Qualidades Elevadas (engloba 19 categorias);
  • Grupo 4: Qualidades Kraft (engloba 8 categorias);
  • Grupo 5: Qualidades Especiais (engloba 7 categorias).

A reciclagem de papel/cartão começa pela separação das fibras, processo do qual resulta uma pasta aquosa.

Na operação de desfibração, os papéis são sujeitos a forte turbulência por acção de um rotor, obrigando a separação das fibras e a sua mistura com água de forma a obter, de novo, pasta. 

Os arames que acompanham os fardos de papel são removidos nesta operação, arrastando os materiais estranhos de maiores dimensões. 

Esta pasta é submetida a um processo de refinação – onde é conferida a resistência e a qualidade necessárias ao papel – e a um processo de crivagem e depuração – pelo qual são retirados os materiais contaminantes.

Na crivagem, separam-se as partículas cuja dimensão é superior à das fibras. A depuração consiste na eliminação das partículas pesadas e leves, podendo recorrer-se por exemplo à utilização de depuradores centrífugos.

Finalmente, a pasta de papel é sujeita a uma operação de secagem.

Etapa de secagemProdução de papel

organograma_processo_reciclagem.jpg

 

  1. Na cuba de centrifugação, misturam-se as embalagens com água, a fim de separar as fibras.
  2. Nos depuradores eliminam-se os materiais não fibrosos, a fim de reter apenas as fibras.
  3. A refinação optmiza as características das fibras recuperadas na sequência das etapas precedentes.
  4. A massa de fibras assim obtida é depositada sobre uma passadeira em movimento onde são submetidas a secagem, a fim de serem transformadas em folhas de papel (ou cartão, no caso maior gramagem).
  5. A folha de papel ou cartão é enrolada em bobinas ou cortada de acordo com o formato pretendido.
  6. A partir destas bobinas fabricam-se novas embalagens de papel ou cartão.