Recipac
Associação Nacional de Recuperação e Reciclagem de Papel e Cartão

O Ciclo de Vida do Papel assenta essencialmente nas 7 etapas abaixo descritas:

  1. Gestão Florestal Sustentável – As árvores são plantadas para um dia serem colhidas e utilizadas pela Indústria.
  2. Produção de Pasta -Transformação da madeira em pasta papeleira.
  3. Produção de Papel - Transformação da pasta papeleira em papel (nesta fase podem entrar no processo os papeis usados para reciclagem).
  4. Transformação  de Papel/Cartão – Corte, impressão e acabamento do papel em diferentes formatos de acordo com as diversas utilizações que pode assumir, tais como envelopes, caixas, sacos, etc.
  5. Consumo – O Papel/Cartão é utilizado pelos consumidores, em forma de livros, cartas, jornais, revistas, bilhetes de cinema, sacos para compras e outras embalagens.
  6. Recolha Os resíduos depois de recolhidos são selecionados e triados, seguindo diretamente  para os pulpers para reciclagem.
  7. Reciclagem – Finalmente o ciclo é fechado com o processo de reciclagem, onde o papel usado gera papel novo.

O ciclo de vida do papel tem início muito antes de adquirir o seu aspecto final - o de papel pronto a utilizar. Na verdade, o seu ciclo de vida tem início na matéria-prima que lhe dá origem: a árvore. Ao contrário do que muitos pensam, a vida do papel não termina depois de ser utilizado: o papel é um produto que pode ser reciclado várias vezes, sendo os papéis usados uma importante fonte de matérias-primas.

O papel é um produto natural obtido a partir de recursos renováveis. O seu ciclo de vida tem início quando se plantam árvores destinadas a serem utilizadas pela indústria papeleira, de acordo com uma política de Gestão Florestal sustentada.

Estas árvores, depois de colhidas e cortadas, são descascadas e estilhaçadas para serem cozidas, dando assim forma à pasta de papel.

processo_papel.jpg

Tem então lugar o fabrico do papel propriamente dito. A pasta é introduzida na máquina de papel, juntamente com outros elementos, formando a folha de papel que é enrolada bobine.

Os papéis usados recuperados, depois de selecionados e triados, são introduzidos nos pulpers e, após serem depurados, constituem a pasta reciclada. Esta pasta, introduzida na máquina de papel, dá origem ao papel reciclado. As fibras virgens e recicladas podem ainda ser combinadas para o fabrico de papel.

Assim nasce o papel que, consoante a quantidade de fibras recuperadas e fibras virgens presentes na sua composição, apresenta características distintas. Na verdade, existem 57 categorias de papel usado diferentes segundo a Norma EN 643.

Depois de fabricado, o papel é transformado de acordo com as utilizações que vai conhecer: desde simples folhas de papel até envelopes, caixas e sacos, o papel conhece múltiplas funções. O papel assim transformado é depois utilizado pelo consumidor final, que o introduz de forma quase automática e inconsciente no seu dia-a-dia. As revistas e livros que lemos, os bilhetes de cinema, as embalagens de leite e sumo, as caixas de sapatos e as embalagens de produtos alimentares são apenas alguns dos produtos que consumimos diariamente e nos quais o papel está presente.

A vida do papel não termina com a sua utilização, uma vez que o papel usado pode ser reciclado até 5 vezes. As fibras de papel recuperadas são reutilizadas no fabrico de novos produtos de papel, conferindo assim ao papel usado uma nova vida.

Contudo, e para que a reciclagem seja uma realidade, a colaboração dos consumidores é fundamental - na prática, a reciclagem tem início na separação doméstica das embalagens usadas.

A reciclagem de papel usado poupa recursos naturais e contribui para a defesa do ambiente. Papel reciclado não é sinónimo de papel sem qualidade - é antes um sinal de qualidade de vida. Recicle: o seu papel é essencial!